Da nossa terra, Sois defensora: Basílica Santuário celebra solenidade da Mãe das Dores

Da nossa terra, Sois defensora: Basílica Santuário celebra solenidade da Mãe das Dores

Categoria: Basílica

15/09/2020 Por: Jornalista Patrícia Mirelly


Há exatos 145 anos foi assentada a pedra fundamental da pequena capela dedicada a Nossa Senhora na Vila Tabuleiro Grande, atual município de Juazeiro do Norte, no interior do Ceará, cuja devoção ainda hoje é incorporada na piedade do povo, que a invoca sob o carinhoso título de Mãe das Dores.

Essa memória é atualizada, anualmente, durante dezoito dias de festa e romaria com a participação dos paroquianos e também de peregrinos vindos das mais diversas e distantes regiões do país. Este ano, mesmo sob a ameaça da pandemia de Covid-19, conservou-se como forte manifestação religiosa ao ter a programação adaptada ao formato virtual.

Na manhã desta terça-feira, dia 15 de setembro, a missa solene na Basílica Santuário, ainda sem a participação presencial dos fiéis, concluiu os festejos alusivos, inspirados no tema: “E tu, Cícero, toma conta deles”. A Eucaristia foi presidida pelo bispo diocesano de Crato, Dom Gilberto Pastana, concelebrada pelo reitor, Padre Cícero José da Silva, e os vigários paroquiais, Padre Antônio Romão, Padre Paulo Borges e Padre Cícero Gomes, e outros sacerdotes da Diocese: Padre Adelino Dantas (Juazeiro), Padre Marcus Dantas (Jardim), Padre Arnaldo Pereira (Brejo Santo) e Davi Neto (Várzea Alegre), além dos padres dos santuários circunvizinhos: Frei Raimundo Matos e Frei Raimundo Barbosa (Santuário São Francisco das Chagas), Padre Raimundo Nonato (Santuário Sagrado Coração de Jesus) e Padre Francisco Inácio (Inspetoria Salesiana de Recife).

Na homilia, Dom Gilberto ensinou que a Mãe de Jesus possui uma “função maternal” na Igreja e que a obediência d’Ela é uma das de suas grandes virtudes, acentuada pelo trecho evangélico: “Perto da Cruz de Jesus estava de pé a Sua Mãe” (Jo 19, 25). Essa obediência – pontuou - não significa o silêncio resignado diante da opressão, mas a aceitação de um plano superior.

“Dá-nos, portanto, os olhos da fé para que a nossa obediência seja historicizada no quotidiano, dialogando com os efemeros interlocutores que ele escolheu como sinal da tua vontade eterna”, pediu.

Em sua exortação, Dom Gilberto também recordou as pessoas contaminadas pela Covid-19 na Diocese de Crato: 32.150, segundo o boletim do último sábado, dia 12, rezando especialmente pelas vítimas fatais.

Na segunda-feira, o pastor diocesano, acompanhando o decreto do Governo Estadual e as orientações da CNBB, autorizou a volta gradual das celebrações abertas ao povo, mas restrita à metade da capacidade das igrejas. Ele reforçou que ficar em casa, em isolamento social, ainda é o melhor remédio e que o panorama da doença é inquietante.

 “A hora é grave e clama por liderança ética, arrojada, humanística, que ecoe um pacto firmado por toda a sociedade, como compromisso e bússola para a superação da crise atual”, afirmou, conclamando os fiéis a se unirem em oração “como forma de contribuir para a superação deste quadro tão triste de pandemia e do avanço do coronavírus no Brasil” e “para reforçar nossa atuação e participação em torno do Pacto pela Vida e pelo Brasil”.

Programação

Outras duas missas foram rezadas na manhã deste dia 15: às cinco e às sete horas, e mais uma está agendada para as três da tarde, seguida de carretada com a Imagem de Nossa Senhora das Dores por 22 ruas de Juazeiro. Todos estes momentos contam com a transmissão da TV Web Mãe das Dores, no YouTube, e das redes sociais.

Comentários:

Inscreva-se em nossa Newsletter